Inovação

Irani firma parceria com universidade de Santa Catarina em projeto de inovação

A Irani e a Universidade do Oeste de Santa Catarina (Unoesc), com sede em Joaçaba, estabeleceram um acordo inédito de cooperação técnica. O objetivo é desenvolver um equipamento para solucionar um velho problema da indústria de embalagens: definir com precisão a força a ser aplicada na formação dos vincos nas chapas de papelão ondulado. Até hoje não existe metodologia definitiva para esse processo, que pode levar à ruptura da embalagem, quando a pressão é excessiva, ou à má formação do vinco, o que dificulta a dobra quando a pressão não é suficiente.

A parceria faz parte da estratégia de inovação aberta da Irani. A ideia é conectar as demandas internas com as soluções disponíveis fora da empresa. “Nós acreditamos no resultado dessa abordagem. O desenvolvimento desse equipamento em parceria com a universidade vai trazer à Irani uma tecnologia atualizada, qualificando o nosso produto, e com um custo mais atrativo em comparação com as opções que existem no mercado”, explica o Gerente de Inovação e Melhoria Contínua, Joviano Mascarello.

Diante desse desafio tecnológico, a relação empresa-universidade é uma via de mão dupla. Enquanto a Irani busca a melhoria contínua no processo, a Unoesc enxerga na parceria a oportunidade de ampliar o seu campo de pesquisa e desenvolver seus pesquisadores (professores e estudantes), colocando todo o seu potencial e infraestrutura de laboratórios para produzir conhecimento científico e inovar.

“A postura da Irani de saber que sozinha não resolve todos os seus problemas merece elogios. Por outro lado, a Universidade precisa ter um olhar voltado à pesquisa com o propósito de apresentar soluções que contribuam para o desenvolvimento da região. É um casamento ideal”, afirma a diretora da Agência de Inovação e Relações Institucionais (AGIR) da Unoesc, Jéssica Romeiro Mota.

Todo o trabalho será coordenado pelos professores Kleyton Hoffmann e Marconi Januário, do curso de Engenharia Elétrica, com o apoio de estudantes de graduação e de colaboradores da Unidade Embalagem SC – Campina da Alegria.  O prazo de conclusão é de dois anos.

“O protótipo que estamos desenvolvendo é, na verdade, uma máquina de teste que vai aferir a qualidade do acabamento das embalagens. Além do equipamento, a ideia é propor uma nova metodologia de medição para padronizar esse processo”, esclarece o professor Marconi.

 

Encontro

O acordo de cooperação teve início em abril deste ano. Um encontro entre as partes, realizado no dia 9 de julho, na AGIR, em Joaçaba, celebrou o compromisso. Participaram da reunião o Gerente de Inovação e Melhoria Contínua, Joviano Mascarello; o Gerente Industrial Embalagem SC, José Mateus; e a Analista de Inovação e Melhoria Contínua, Sônia Oliveira.